RSS

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Jovens e Adultos: Os Doze Profetas Menores
Lição 09: Habacuque – A Soberania Divina sobre as Nações

Professoras e professores, para esta lição, apresento as seguintes sugestões:

- Iniciem a aula, falando: A aula de hoje será sobre o livro de profeta Habacuque, o oitavo de uma série de 12 livros que compõem os Profetas Menores.  A lição tem como título “Habacuque – A Soberania Divina sobre as Nações”.

Ops! Não está faltando alguma coisa para iniciar a aula?
Costumeiramente e repetidamente coloco aquela parte(que vocês já conhecem) que deve acontecer antes de começar  o estudo da lição. Mas, pode ser que alguém não se lembre e haja algum visitante novato neste blog, então vou expor novamente o que vocês devem fazer para iniciar uma aula:
“ Iniciem a aula, cumprimentando os alunos, perguntem como passaram a semana. Escutem atentamente as falas dos alunos e observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração. Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
Compreendem a importância desse ato?
Vocês realmente estão fazendo isto?”

- Agora, vocês iniciam o estudo da lição, falando: A aula de hoje será sobre o livro de profeta Habacuque, o oitavo de uma série de 12 livros que compõem os Profetas Menores.  A lição tem como título “Habacuque – A Soberania Divina sobre as Nações”.

- Trabalhem o conteúdo proposto na lição de forma objetiva, sem suprimir partes importantes.
Leiam a lição pelo menos 02 vezes, anotem os pontos mais relevantes. Pesquisem sobre este tema em livros e sites confiáveis. Não percam o foco do tema da aula, daí a importância de levantar pontos principais. Preparem-se para ministrar a aula!

Leiam o texto “A Aula”(postado abaixo), que apresenta várias informações de como ministrar uma aula.

- Como trabalhar o tema:
1 – Contexto histórico da época do profeta Habacuque
2 – Partes do livro e suas características
3 – Mensagem principal do livro
4 – O conteúdo da lição deve ser  trabalhado, buscando o envolvimento do aluno com a aula e contextualizando o tema com a vida do seu aluno. Dessa, forma aprendizagem será mais significativa.

- Utilizem o texto “Pés Rápidos”, que trata de uma estória de um jogador de Rugbi que escreveu  nas suas chuteiras, Hb 3.19: “O Senhor, o Soberano, é a minha força; ele faz os meus pés como os do cervo; faz-me andar em lugares altos”.

- Para concluir a aula, utilizem a dinâmica “O Abraço”, que proporcionará o trabalho sobre o significado dos nomes dos alunos e dos profetas menores, enfatizando que “abraço” é o significado do nome de Habacuque.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Os professores de Adolescentes, Juvenis e Discipulado podem encontrar subsídios pedagógicos para as lições no Blog Atitude de Aprendiz.

Texto Pedagógico: A Aula
De posse de um planejamento de ensino, o professor deve observar algumas orientações para a execução da aula, para que haja uma condução adequada do que vai ser estudado e o tempo destinado para tal fim.


 Para efeitos didáticos, a aula está dividida em três partes:
1 – Introdução
            Nesse momento, você deve cumprimentar os alunos, apresentar os visitantes, perguntar como eles estão, como passaram a semana e depois disto deve falar sobre o tema da aula, situando-o no contexto das lições anteriores.

2 – Desenvolvimento
            Esta etapa da aula é a mais longa, por isso você deve trabalhar o tema, dinamizando o ensino, diversificando os recursos a cada aula, para que haja sempre o elemento surpresa.
Procure expor em primeiro lugar as partes mais importantes do assunto e contextualize-o com a vida do seu aluno para que a aprendizagem seja significativa. Para tanto, leia a lição pelo menos 02 vezes, anote os pontos mais relevantes. Não percam o foco do tema da aula, daí a importância de levantar pontos principais.
Utilize de forma adequada o tempo de aula, abordando o tema em estudo com segurança, clareza e objetividade. Não se esqueça de promover a participação dos alunos na aula.
Lembrem-se   que o aluno aprende:
10% do que ouve
20% do que vê
50% do que ouve e vê
70% do que ouve, vê e fala
90% do que ouve, vê, fala e faz.
Diante disso, oportunizem aos alunos situações que envolvam, além da audição, elementos visuais, atividades que promovam a fala e o fazer. Pois, quanto mais sentidos envolvidos na aprendizagem, mais eficaz ela será.
            Prepare-se para ministrar a aula, o aluno percebe quando você não estudou ou não está seguro. Pesquisem sobre este tema em livros e sites confiáveis.  Não passe a aula lendo a lição, nem contando estórias para preencher o tempo. Utilizar-se de um fato para exemplificar do tema é bom, mas deve ser de forma sucinta.
            Durante a aula, caminhe na frente da classe, não permaneça em um só lugar e procure olhar para todos os alunos, não deve ficar com a visão centralizada em só ponto. Observe a expressão facial e postura corporal dos alunos, pois estes dois elementos “falam” sobre a atenção, o entendimento do tema, se o aluno está interessado e motivado etc. A postura do professor também é muito importante, deve  demonstrar que está feliz e alegre  por estar ensinando.
            Observe qual o momento mais adequado da aula para mencionar os aniversariantes, fazer pedidos de oração e agradecimentos, e ainda combinar algo específico com a turma. Veja com o secretário da classe, quais os alunos que estão faltando e procure comunicar-se com eles. Dessa forma, você está criando vínculo afetivo com a turma.

3 – Conclusão
            Nesse momento, você deve, de forma objetiva, fazer um fechamento da aula. Você pode ainda fornecer bibliografia sobre o tema para que os alunos se aprofundem no assunto e também fornecer alguma orientação para a aula seguinte, caso necessário.

            “... Se é ensinar, haja dedicação ao ensino.” Rm 12.7.

Por Sulamita Macedo.

Dinâmica: O Abraço

Objetivos:
- Trabalhar o significado dos nomes dos alunos e dos profetas menores, enfatizando que “abraço” é o significado do nome de Habacuque.
- Promover momento de socialização, demonstrando afeto através do abraço.

Material:
Papel com o nome do aluno e seu significado.
Texto “Abraços”(postado no procedimento).

Procedimento:
- Falem sobre o significado dos nomes dos profetas menores estudados até a aula de hoje.
Oseias – Salvação
Joel – O Senhor é Deus
Amós – Carregador de fardos
Obadias – Servo do Senhor
Jonas – Pombo
Miqueias – Quem é semelhante a Jeová
Naum – Consolo
Habacuque – Abraço
- Depois entreguem para cada aluno o significado do nome dele, por exemplo:

            Sulamita
            Perfeição

Para isto, vocês devem saber os nomes dos alunos. Aliás, todo professor deve saber o nome dos seus alunos!
Depois, procurar em sites o significado do nome de cada aluno. É uma pesquisa que requer paciência, pois há necessidade de procurar em vários sites.
Há nomes que vocês não encontrarão o significado. Então, ao entregar o papel sem o significado, peçam ao aluno para que fale o que sabe sobre seu nome, quem escolheu etc.
- Agora, enfatizem que ABRAÇO é o significado do nome de Habacuque.
Depois, falem: Que tal dar um abraço nos colegas? Antes, porém, uma orientação: ao abraçar o colega fale para ele sobre o significado do seu nome.
Então, leiam o texto “Abraços”:

ABRAÇOS
É impressionante o que um abraço pode fazer,
Um abraço nos anima a continuar a viver,
Um abraço pode transmitir o amor de um amigo,
Ou dizer: "Ainda que vás, estarei contigo”.

Um abraço diz, "Que bom que você voltou".
"Que bom te ver", ou "Por onde você andou?"
Um abraço consola uma criança a chorar,
É o arco-íris depois da chuva passar.

O abraço, meu amigo, pode crer
Que sem ele ninguém poderia viver.
Como são animadores os abraços,
Foi por isso que Deus nos deu braços?

Abraços são ótimos para pais e mães,
São um ato de amor entre irmãos e irmãs.
E é bem capaz que certas tias favoritas
Os considerem uma das coisas mais bonitas.

Gatinhos os imploram. Cachorrinhos os adoram.
E nem os Chefes de Estado os ignoram.
Um abraço quebra as barreiras da linguagem,
E compensa qualquer outra desvantagem.

Não se preocupe em os poupar,
Quanto mais der, mais vai ganhar.
Então olhe para alguém ao seu lado,
E dê-lhe já um abraço bem apertado!
Autoria desconhecida.

- Após, esta socialização leiam Ec 3.1b e 5b.
“... há tempo para todo o propósito debaixo do céu. ...tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar.”

- Então, falem: Devemos abraçar enquanto nossos colegas e familiares estão perto, então aproveitemos as oportunidades e tenhamos expressões de afeto, carinho etc.

Por Sulamita Macedo.

Texto de Reflexão: Pés Rápidos

            Fui ao Chile para uma conferência bíblica e estava no hotel, descansando, quando um jogo de rúgbi apareceu na televisão. Embora eu não entenda muito bem esse jogo, gosto de assisti-lo e admiro a coragem que é necessária para se praticar um esporte tão perigoso.

           
Durante o jogo, um dos jogadores franceses se machucou e teve que ser retirado do campo. Enquanto os treinadores o atendiam, a televisão mostrou de perto suas chuteiras. O jogador havia escrito com caneta preta as palavras: “Habacuque 3.19” e “Jesus é o caminho”. Tais expressões de fé e esperança foram um forte testemunho das prioridades e valores daquele jovem atleta.
            O versículo citado no calçado daquele jogador não é apenas um que fala de esperança celestial e perseverança na fé. É um versículo de valor prático, especialmente para um atleta que depende da velocidade para conseguir sucesso. Ele diz: “O Senhor, o Soberano, é a minha força; ele faz os meus pés como os do cervo; faz-me andar em lugares altos”.
            Em tudo na vida, precisamos das forças e da provisão de nosso Deus. Somente ele pode nos dar “pés” que são rápidos e fortes. Somente ele pode equipar-nos para todas as incertezas da vida, pois somente ele é a nossa força. Como Paulo, podemos estar seguros: “O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês” (Filipenses 4.19). WEC

Fonte: Nosso Andar Diário( 10.03.2008)

Currículo do Ano 2 – Adolescentes – Cartas que Ensinam
Lição 09: O Fim está perto!

Professoras e professores, para esta lição, apresento as seguintes sugestões:

 - Falem: Hoje vamos estudar a 9ª. carta de um conjunto de 13 epístolas escritas pelo apóstolo Paulo.  O estudo será sobre a segunda carta de Paulo aos irmãos da igreja em Tessalônica.

Ops! Não está faltando alguma coisa para iniciar a aula?
Costumeiramente e repetidamente coloco aquela parte(que vocês já conhecem) que deve acontecer antes de começar  o estudo da lição. Mas, pode ser que alguém não se lembre e haja algum visitante novato neste blog, então vou expor novamente o que vocês devem fazer para iniciar uma aula:
“ Iniciem a aula, cumprimentando os alunos, perguntem como passaram a semana. Escutem atentamente as falas dos alunos e observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração. Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
Compreendem a importância desse ato?
Vocês realmente estão fazendo isto?”

- Agora, falem: Hoje vamos estudar a 9ª. carta de um conjunto de 13 epístolas escritas pelo apóstolo Paulo.  O estudo será sobre a segunda carta de Paulo aos irmãos da igreja em Tessalônica.

- Continuem falando: Esta lição vai tratar sobre o período da Grande Tribulação. A igreja neste período não estará na Terra, pois nesse tempo já houve o Arrebatamento. Estejamos preparados para o encontro com Cristo.
- Então, perguntem: O que vocês conhecem sobre a Grande Tribulação? Aguardem as respostas e depois escrevam numa cartolina ou quadro as respostas dos alunos e reservem este material.
- Depois, coloquem no quadro os seguintes nomes dos personagens que aparecerão neste período:
DRAGÃO: O Diabo, A Serpente
A BESTA: O Anticristo, O Perverso, O Homem do Pecado
A SEGUNDA BESTA: Falso Profeta
- Agora, trabalhem as características e funções de cada personagem neste período de 07 anos da Grande Tribulação, como também sua atuação hoje no mundo.
Nesta explicação, vocês devem falar sobre o Dia do Senhor, apostasia, a Falsa Trindade Satânica, A Misteriosa Maldade, a Revolta e como terminará este período, quando Jesus descer e derrotar seus inimigos.
- Depois, perguntem: E agora, o que vocês sabem sobre a Grande Tribulação?
Para tanto, apresentem as respostas do início da aula e acrescentem o que os alunos vão falar.
- Para finalizar, utilizem a dinâmica “A Máscara”, que proporcionará a refletir sobre a forma de manifestação do Anticristo.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: A Máscara

Objetivo: Refletir sobre a forma de manifestação do Anticristo.

Material: 01 máscara, 03 alunos.

Procedimento:
1 - Antes do início da aula:
- Escolham 03 alunos ou outros que voluntariamente participem da atividade.
- Falem para o aluno 01 que deverá falar para a turma características pessoais(não físicas) e do que gosta de fazer, do que já fez, do que pretende realizar,  relatar acontecimentos ocorridos com ela. Este relato deverá ser de forma exagerada, mas que seja moderado para não levantar suspeitas se as afirmações são verdadeiras e ou falsas. Tudo deve ser expresso de forma que convença os ouvintes.
- Falem para o aluno 02 e 03 para que forneçam informações pessoais de forma verdadeira.
- Orientem que eles vão usar uma máscara, quando chegar o momento de falar para a turma.
- Peçam para que eles não divulguem para os colegas as orientações dadas a eles.

2 – No momento da realização da dinâmica:
- Chamem os 03 alunos para se posicionar na frente da classe.
- Solicitem para que falem sobre o combinado anteriormente. À medida que cada um falar, coloquem a máscara nele.
- Depois, perguntem: Vocês acham que estão falando a verdade ou mentira?
Aguardem a manifestação dos alunos e perguntem o porquê das respostas, isto é, o que lhes convenceu disto.
Coloquem a máscara no aluno que a turma afirma que ele está mentindo.
- Falem: Os 03 usaram máscara, mas a quem cabe realmente a máscara?
- Peçam, agora, para que eles falem para o grupo se estavam mentindo ou falando a verdade. Coloquem a máscara no aluno que mentiu e falem: Sua máscara caiu, sua farsa foi descoberta!
- Afirmem: Assim será no governo do Anticristo, baseado em mentira e no engano convencerá a muitos, mas Cristo destruirá este império, desmascarando-o.
- Para  finalizar, leiam:
II Ts 2. 3 e 4 “Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição; O qual se opõe contra tudo que se chama ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus”.

Por Sulamita Macedo

Currículo do Ano 3 – Juvenis – O Que a Bíblia Fala sobre o Futuro da Igreja
Lição 09: Armagedom

Professoras e professores, para esta lição, apresento as seguintes sugestões:

 - Falem: Na aula de hoje vamos estudar sobre a batalha do Armagedom.

Ops! Não está faltando alguma coisa para iniciar a aula?
Costumeiramente e repetidamente coloco aquela parte(que vocês já conhecem) que deve acontecer antes de começar  o estudo da lição. Mas, pode ser que alguém não se lembre e haja algum visitante novato neste blog, então vou expor novamente o que vocês devem fazer para iniciar uma aula:
“ Iniciem a aula, cumprimentando os alunos, perguntem como passaram a semana. Escutem atentamente as falas dos alunos e observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração. Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
Compreendem a importância desse ato?
Vocês realmente estão fazendo isto?”

- Agora, falem: Na aula de hoje vamos estudar sobre a batalha do Armagedom.
- Perguntem: Vocês já ouviram falar em Armagedom?
Certamente os alunos responderão afirmativamente; alguns talvez ouviram  na Igreja ou mesmo num filme, pois há vários  sobre o Armagedom.
- Se possível, exibam parte de um filme que vocês podem encontrar no YouTube, como por exemplo: Megido ou Armagedom. Há filmes que tem o nome de Armagedom, mas não possuem as características e fatos bíblicos requeridos nesta lição, portanto é necessário tempo para ver e escolher de forma adequada e não passar vexame diante da classe.


- Depois, trabalhem as seguintes questões:
Armagedom. Por que tem este nome?
O que é Armagedom?
Quando acontecerá?
Onde acontecerá?
Quais personagens estarão envolvidos?
O que vai acontecer nesta batalha?
O que ocorrerá após o Armagedom?

- Para concluir a aula, utilizem a dinâmica “A Batalha entre o Bem e o Mal”, que proporcionará a reflexão sobre a batalha que existe entre o bem e o mal e a necessidade da frutificação espiritual(virtudes do fruto do Espírito) em detrimento das obras da Carne.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: A Batalha entre o Bem e o Mal

Objetivo: Refletir sobre a batalha que existe entre o bem e o mal e a necessidade da frutificação espiritual(virtudes do fruto do Espírito) em detrimento das obras da Carne.

Material: Nomes digitados: Senhor do bem e  Senhor do mal. Listagens das Virtudes do Espírito e das Obras da Carne.


Procedimento:
Antes da aula:
- Escolham dois alunos e orientem para que representem dois personagens.
Um será o Senhor do Bem e apresentará as virtudes do Fruto do Espírito.
O outro será o Senhor do Mal e apresentará as obras da Carne.
Durante a aula:
- Após o estudo sobre a batalha do Armagedom, entre Deus e o Diabo, falem que constantemente há uma guerra entre o Senhor do Bem e o Senhor do Mal e o campo de batalha está dentro de cada pessoa.
- Agora, os personagens entram em ação:
1 - O Senhor do Mal entra e fala o que ele promove nas pessoas, levando-as a cometer pecado. Então, ele diz todas as obras da Carne. Quando as pessoas cometem estes pecados elas estão longe de Deus e depois, ele diz: Eu vim para roubar, matar e destruir(Jo 10.10). Eu estou bem perto de vocês e sou o adversário de vocês e ando como leão em derredor buscando a quem possa tragar(I Pe 5.8).
2 - Agora de forma súbita entra o Senhor do Bem e interrompe a fala do adversário e fala:
Eu estou convosco, eu habito em vocês, o seu corpo é a minha morada(I Co 6. 19).
Quem tem vida em mim, produz frutos dignos de arrependimento.
Agora, ele deve ler as virtudes do Fruto do Espírito.
Nisto é glorificado meu pai, que deis muito fruto e assim sereis meus discípulos(Jo 15.8)
“...vos nomeei para que vades e deis fruto e o vosso fruto permaneça”(Jo 15.16)O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir, em vim para que tenham vida e a tenham com abundância.
“Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar; ao qual resisti firmes na fé...”(I Pe 5.8 e 9).
3 - Agora, falem:
O campo de batalha está na nossa mente e depois leiam Fp 4.8: Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude e se há algum louvor, nisso pensai.
- E para concluir falem sobre a batalha entre o Espírito e a Carne e depois leiam Gl 5. 17 e 16.

Por Sulamita Macedo.

domingo, 25 de novembro de 2012


Texto Pedagógico

 A Aula

De posse de um planejamento de ensino, o professor deve observar algumas orientações para a execução da aula, para que haja uma condução adequada do que vai ser estudado e o tempo destinado para tal fim.
 Para efeitos didáticos, a aula está dividida em três partes:

1 – Introdução
            Nesse momento, você deve cumprimentar os alunos, apresentar os visitantes, perguntar como eles estão, como passaram a semana e depois disto deve falar sobre o tema da aula, situando-o no contexto das lições anteriores.

2 – Desenvolvimento
            Esta etapa da aula é a mais longa, por isso você deve trabalhar o tema, dinamizando o ensino, diversificando os recursos a cada aula, para que haja sempre o elemento surpresa.
Procure expor em primeiro lugar as partes mais importantes do assunto e contextualize-o com a vida do seu aluno para que a aprendizagem seja significativa. Para tanto, leia a lição pelo menos 02 vezes, anote os pontos mais relevantes. Não percam o foco do tema da aula, daí a importância de levantar pontos principais.
Utilize de forma adequada o tempo de aula, abordando o tema em estudo com segurança, clareza e objetividade. Não se esqueça de promover a participação dos alunos na aula.
Lembrem-se   que o aluno aprende:
10% do que ouve
20% do que vê
50% do que ouve e vê
70% do que ouve, vê e fala
90% do que ouve, vê, fala e faz.


Diante disso, oportunize aos alunos situações que envolvam, além da audição, elementos visuais, atividades que promovam a fala e o fazer. Pois, quanto mais sentidos envolvidos na aprendizagem, mais eficaz ela será.
            Prepare-se para ministrar a aula, o aluno percebe quando você não estudou ou não está seguro. Pesquisem sobre este tema em livros e sites confiáveis.  Não passe a aula lendo a lição, nem contando estórias para preencher o tempo. Utilizar-se de um fato para exemplificar do tema é bom, mas deve ser de forma sucinta.
            Durante a aula, caminhe na frente da classe, não permaneça em um só lugar e procure olhar para todos os alunos, não deve ficar com a visão centralizada em só ponto. Observe a expressão facial e postura corporal dos alunos, pois estes dois elementos “falam” sobre a atenção, o entendimento do tema, se o aluno está interessado e motivado etc. A postura do professor também é muito importante, deve  demonstrar que está feliz e alegre  por estar ensinando.
            Observe qual o momento mais adequado da aula para mencionar os aniversariantes, fazer pedidos de oração e agradecimentos, e ainda combinar algo específico com a turma. Veja com o secretário da classe, quais os alunos que estão faltando e procure comunicar-se com eles. Dessa forma, você está criando vínculo afetivo com a turma.

3 – Conclusão
            Nesse momento, você deve, de forma objetiva, fazer um fechamento da aula. Você pode ainda fornecer bibliografia sobre o tema para que os alunos se aprofundem no assunto e também fornecer alguma orientação para a aula seguinte, caso necessário.

            “... Se é ensinar, haja dedicação ao ensino.” Rm 12.7

Por Sulamita Macedo.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Jovens e Adultos: Os Doze Profetas Menores
Lição 08: Naum – O Limite da Tolerância Divina

Professoras e professores, para esta lição, apresento as seguintes sugestões:

- Iniciem a aula, falando: A aula de hoje será sobre o livro de profeta Naum, o sétimo de uma série de 12 livros que compõem os Profetas Menores.  A lição tem como título “Naum – O Limite da Tolerância Divina”.

Ops! Não está faltando alguma coisa para iniciar a aula?

Costumeiramente e repetidamente coloco aquela parte(que vocês já conhecem) que deve acontecer antes de começar  o estudo da lição. Mas, pode ser que alguém não se lembre e haja algum visitante novato neste blog, então vou expor novamente o que vocês devem fazer para iniciar uma aula:

“ Iniciem a aula, cumprimentando os alunos, perguntem como passaram a semana. Escutem atentamente as falas dos alunos e observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração. Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
Compreendem a importância desse ato?
Vocês realmente estão fazendo isto?”

- Agora, vocês iniciam o estudo da lição, falando: A aula de hoje será sobre o livro de profeta Naum, o sétimo de uma série de 12 livros que compõem os Profetas Menores.  A lição tem como título “Naum – O Limite da Tolerância Divina”.

 - De forma participativa, busquem estabelecer um significado para as palavras “Tolerância”, “Vindicação” e para as expressões “Atributos divinos” e  “Juízo Divino”.

- Trabalhem o conteúdo proposto na lição de forma objetiva, sem suprimir partes importantes.
Leiam a lição pelo menos 02 vezes, anotem os pontos mais relevantes. Pesquisem sobre este tema em livros e sites confiáveis. Não percam o foco do tema da aula, daí a importância de levantar pontos principais. Preparem-se para ministrar a aula! Leiam o texto “Planejamento de Aula”(postado abaixo).

- Como trabalhar o tema:
1 – Contexto histórico da época do profeta Naum
2 – Partes do livro e suas características(uso frequente de metáforas)
3 – Mensagem principal do livro
Nesta parte, façam uma relação entre a situação dos ninivitas da época dos profetas Jonas e Naum.
Se possível apresentem algumas imagens das ruínas da cidade de Nínive(norte do Iraque). Esta foto é da porta de Nínive.


4 – O conteúdo da lição deve ser forma trabalhado, buscando o envolvimento do aluno com a aula e contextualizando o tema com a vida do seu aluno. Dessa, forma aprendizagem será mais significativa.

- Utilizem o texto "O Bom e o Mau".

- Para concluir, utilizem a dinâmica “Tolerância Zero”.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Os professores de Adolescentes, Juvenis e Discipulado podem encontrar subsídios pedagógicos para as lições no Blog Atitude de Aprendiz.

Leiam com atenção este texto sobre Planejamento de Aula!

Planejamento de Aula
            Fazer planejamento da aula não deve ser entendido como mera formalidade, mas como um instrumento de trabalho que vai  proporcionar uma melhor orientação e execução da aula.
            Ao preparar a aula, lembre-se de pedir ajuda ao Espírito Santo: “O Consolador vos ensinará...” Jo 14. 26.

         
   O Planejamento de Aula é composto por 5(cinco) partes:
1 – Objetivos: Representam aquilo que você deseja que seus alunos alcancem com a ministração do tema.
            A Lição Bíblica já contém os objetivos formados. Leia-os, observando de forma criteriosa a intenção contida neles. Você pode elaborar outros objetivos de acordo com a necessidade de sua turma; tenha cuidado quanto à concretização de cada um deles durante a aula, para isso, utilize bem o tempo disponível.
2 – Conteúdo: É o assunto da lição.
            A Lição Bíblica apresenta o conteúdo, dividido em tópicos, facilitando o entendimento gradual do tema a ser estudado. Lembre-se que você pode e deve buscar outras fontes de consulta. Leia toda a lição pelo menos duas vezes, observe o que é mais importante na lição, para expor em primeiro lugar aquilo que é mais relevante.
3 – Metodologia: Refere-se à maneira como você vai compartilhar o assunto da lição com seus alunos.
            Oriento que você utilize a aula expositiva dialogada, associada a outros recursos de ensino que possibilitem a participação dos alunos e melhor aprendizagem do tema. Veja alguns exemplos: trabalho em grupo, dramatizações, projetos pedagógicos, dinâmicas, estudo de caso etc.
Faça aplicação do assunto estudado com a vida social e espiritual do aluno, quanto mais o ensino se aproxima da realidade, mais o aluno aprende.
4 – Recurso Didáticos: São instrumentos que facilitam o processo de ensino e  a aprendizagem.
            São vários os recursos didáticos. Veja alguns que podem ser utilizados na EBD: Cartazes, TV, DVD, filmes, documentários, CD-Som, música, Data-show, retroprojetor e outros que, mesmo não sendo tecnológicos, servem para potencializar a aprendizagem.
            É interessante que o professor saiba utilizar estes recursos. Se houver dificuldade, peça ajuda. O recurso serve para auxiliar e deve ser entendido como meio motivador da aprendizagem. Caso você considere que o recurso lhe atrapalha, é porque você não está sabendo ainda como usá-lo. Mas, não desista, procure aprender e buscar auxílio.
5 – Avaliação:
            Geralmente, quando se fala em avaliação é comum associá-la à prova, teste, atribuição de notas, mas avaliar vai muito mais além do que isto. A avaliação na EBD também tem sido alvo de opiniões controvertidas: na verdade, qual será a finalidade da avaliação na EBD?
 Mas, vejamos o que o professor pode realizar:
            . Durante a aula, o professor deve observar a expressão facial e corporal dos alunos, para identificar se estão entendendo o assunto.
. Também deve utilizar-se de perguntas sobre o assunto e expressões como: “Estão entendendo?” e “Alguma dúvida?”
. Pode ainda fazer avaliação escrita ao término do trimestre, com pontuação e premiação a seu critério.
. O professor deve também oportunizar espaço para o aluno realizar autoavaliação.
. O professor pode também fazer autoavaliação ou pedir para que outro colega ou mesmo a turma fale sobre seu desempenho durante a aula.
Elaborar um planejamento dá o norte de como seguir na execução da aula, dessa forma o professor vai ministrar a aula com mais segurança, pois não vai improvisar, utilizando bem o tempo, conhecendo o conteúdo e os objetivos que deseja atingir, utilizando métodos e recursos adequados ao tema e ao aluno, pois sabe o caminho a seguir.
Por Sulamita Macedo.

Dinâmica: Tolerância Zero

Objetivo: Exercitar a tolerância com o próximo.

Material:
- 03 palavras digitadas: SENHOR, VINGANÇA e CONTRA
- 01 texto(veja abaixo no procedimento).

Procedimento:
- Dividam a turma em dois grupos.
- Entreguem para o grupo 01 a palavra VINGANÇA, para o grupo 02 a palavra CONTRA. Todos deverão saber quais as palavras do seu grupo como também do outro grupo.
- Falem: Será lido agora um texto e quando for lida a palavra que vocês receberam, o grupo deverá ficar em pé imediatamente e depois sentar-se. Quando for lida palavra SENHOR todos deverão ficar em pé(se sua classe não for dentro do templo, os alunos podem bater palmas ao invés de ficar em pé).

Texto para leitura: Naum 1. 2, 3 e 9
“O SENHOR é um Deus zeloso e que toma VINGANÇA; o SENHOR toma VINGANÇA e é cheio de furor; o SENHOR toma VINGANÇA CONTRA os seus adversários e guarda a ira CONTRA seus inimigos.
O SENHOR é tardio em irar-se, mas grande em força e ao culpado não tem por inocente; o SENHOR tem seu caminho na tormenta e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés.
Que pensais vós CONTRA o SENHOR? Ele mesmo vos consumirá de todo; não se levantará por duas vezes a angústia”.

- Comecem a ler o texto e parem após a leitura do primeiro versículo e falem: acho que alguém não entendeu ou não teve atenção, foi só um ensaio. Mas, vamos recomeçar.
Então, reiniciem a leitura e observem o comportamento dos alunos com relação a tolerância ao colega que não está realizando a ação de forma rápida ou até mesmo porque não está atento ou não prestou atenção as orientações dadas no início da dinâmica. Não corrijam nenhuma atitude, mas continuem lendo o texto até o final.

- Agora, trabalhem com os alunos as seguintes ideias.
Estar pronto para praticar algo é necessário conhecer a orientação e obedecer.
Estar atento para ouvir se o comando é para você e para o grupo.
Ser tolerante com o colega que não apresentou a atenção aos comandos.
Até que ponto a tolerância pode continuar?
Há alguém que está cometendo erro de forma deliberada ou não, como proceder?
Há alguém que errou no início e depois desistiu?
Há alguém que, mesmo cometendo erros no início, depois procurou ter atenção as regras e obedeceu?


- Agora, façam relação dessas ideias com a situação dos ninivitas e também a nossa realidade hoje e depois falem sobre a misericórdia de Deus para conosco e que a porta da graça hoje está aberta, mas haverá um tempo que será fechada e será tarde demais para o arrependimento.

Ideia original desconhecida da utilização de texto, palavras-chave e movimentos para dinâmica.
Elaboração desta dinâmica por Sulamita Macedo.

Texto de Reflexão: O Bom e o Mau

            Nínive estava com problemas com Deus. Um grande problema! Apesar do bom trabalho do relutante profeta Jonas, Nínive voltou aos seus maus caminhos. Os ninivitas haviam oprimido a outros povos, adorado a ídolos e feito atos de crueldade.
            Deus viu esta maldade e, por meio das palavras do profeta Naum, anunciou a destruição vindoura de Nínive, usando palavras como ira e vingança. Nínive estava prestes a enfrentar o julgamento.
            Por que o profeta de Deus iria falar às pessoas de Judá sobre isso? Como é que as palavras assustadoras de Naum poderiam ajudar aquelas pessoas?
            Vemos uma ajuda para responder a essas perguntas em Naum 1.7-8. A profecia da destruição daqueles que rejeitam a Deus está em forte contraste com a promessa de Deus àqueles “que confiam nEle”. Os piedosos, em vez de enfrentar o julgamento, seriam protegidos. Encontrariam um refúgio nEle.
            Deus não é partidário. Ele provê refúgio, ajuda e conforto para aqueles que confiam nEle e também envia julgamento contra aqueles que desobedecem aos Seus padrões.
            A mensagem para nós é a mesma que foi dada a Judá. Por meio da confiança e obediência, podemos desfrutar do conforto do refúgio de Deus – mesmo em tempos de dificuldades. JDB

Fonte: Nosso Pão Diário