RSS

terça-feira, 22 de abril de 2014

Jovens e Adultos: Dons Espirituais e Ministeriais – Servindo a Deus e aos homens com poder extraordinário
Lição 04: Dons de Poder

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 – Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 – Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associada a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 - Agora, trabalhem a lição 04. Vejam as sugestões abaixo:
- Falem ainda: Na lição anterior, começamos a estudar sobre os dons espirituais e conhecemos mais sobre os dons de Revelação
- Falem ainda: Na aula de hoje, vamos trabalhar sobre os “Dons de Poder”.
- Escrevam no quadro ou cartolina os dons de Poder:
Dom da Fé
Dons de Curar
Dom de Operação de Maravilhas
- Depois, estudem sobre cada dom, dessa forma:
O que é?
Exemplos desses dons na Bíblia(Antigo e Novo Testamento)
Exemplos destes dons hoje na Igreja.
- Trabalhem os pontos levantados na lição sempre de forma participativa e contextualizada.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “Galeria”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Galeria
Objetivo:
Incentivar os alunos a relatar experiências que façam referência ao exercício da fé.
Material:
02 cartolinas para montar 02 cartazes
Procedimento:
- Apresentem um cartaz com os nomes dos heróis da fé de Hebreus 11: Abel, Enoque, Noé, Abraão, Sara, Isaque, Jacó, José, Moisés, Raabe.
- Depois, leiam o texto bíblico de Hebreus 11, conhecido como Galeria dos Heróis da Fé, observando o acontecimento referente ao nome citado.
- Depois, solicitem para que os alunos relatem fatos que façam referência a fé exercitada por eles.
- Continuem a galeria, organizando outro cartaz com os nomes dos alunos que relatarem suas experiências.
- Depois, procurem identificar qual o dom a que se refere o relato do aluno.
- Para concluir, leiam: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se veem”(Hb 11.1).
Por Sulamita Macedo.

Texto Pedagógico
Avaliando a Avaliação da Aprendizagem
na Escola Bíblica Dominical
            Muito se tem discutido e escrito sobre avaliação da aprendizagem. Novas concepções surgem na área educacional, reflexões são realizadas, decisões são feitas nas escolas, mas sempre há um ponto de interrogação no processo avaliativo, por ser alvo de opiniões controvertidas e por se entender que é um processo difícil de ser realizado a contento.
            Nas escolas seculares, partindo de uma análise simples, a avaliação de forma geral tem sido associada à realização de provas, testes, atribuição de notas ou diagnóstico descritivo dos alunos após um bimestre, trimestre, semestre, ano, série ou ciclo, tendo como foco principal o resultado aprovado, reprovado.
            Dessa forma, podemos concluir que a avaliação, nessa concepção, está atrelada ao resultado final do desempenho dos alunos, domínio ou não das competências e habilidades requeridas para aquele momento de estudo etc. É mais conhecida como Somativa, pois a decisão final requer a soma de vários resultados ao longo de um período de estudo. É interessante ressaltar que outros tipos de avaliação já acontecem, em várias escolas, e não estão conjugadas a aferição de notas.

              E na Escola Bíblica Dominical, a avaliação para que serve?
            Para que serve? Isto mesmo! Caso você, professor, seja daqueles que não realiza avaliação da aprendizagem na EBD, não se espante, você não é exceção! Na EBD pouco se fala em avaliação da aprendizagem, mesmo sendo um requisito tão importante dentro do processo de ensino e aprendizagem.  Mas, é necessário realizar avaliação. É interessante, então, pensar sobre alguns pontos relevantes.
            Na Escola Dominical não há uma finalização de períodos conclusivos para que os alunos terminem um módulo e sejam julgados aptos ou não para prosseguir nos estudos posteriores.
            É importante também refletir sobre o conteúdo transmitido na EBD, que na sua maioria deve ser vivenciado pelo aluno na sua prática cristã. Então, neste caso, somente o aluno é capaz de julgar como o ensino está sendo absorvido por ele e colocado em prática na vida cristã. Daí, a necessidade do professor contextualizar o tema com o tipo de aluno, para que a aprendizagem seja mais significativa.
Há professores que realizam testes ao final do trimestre e fazem premiação dos alunos que se destacam nestas avaliações escritas, observando também assiduidade, pontualidade, participação etc. As avaliações, na grande maioria, se referem a conteúdos, conceitos; mas, a assimilação deles e vivência do que aprendeu somente os discentes podem avaliar a si mesmos – este tipo de avaliação é conhecida como Autoavaliação. Embora que possamos “avaliar” alguém pela demonstração de suas atitudes e por aquilo que fala. Afinal, pelos frutos se conhece uma árvore.
Outra forma de avaliar os alunos é conhecida como avalição Diagnóstica. Antes de iniciar o estudo da lição, o professor indaga sobre o que os alunos conhecem sobre o tema. Dessa forma, ele tem conhecimento prévio sobre o que os alunos conhecem da temática que será abordada e pode, inclusive, partir dessas respostas para iniciar o estudo.
Há outra forma de avaliar – a Formativa ou Processual. Esta não busca detectar o insucesso do aluno no final de período, nem prioriza o resultado final. Ela acontece no processo de ensino, de forma contínua e informal, como prática de investigação para que o aluno aprenda e dessa forma pode ter uma perspectiva transformadora, isto é, observando as modificações que estão ocorrendo no aluno para que ele aprenda, alcançando os objetivos propostos.
Como fazer? O professor durante a aula deve observar a expressão facial e corporal dos alunos, para identificar se estão entendendo o assunto, além de fazer perguntas sobre o assunto e expressões como: “Estão entendendo?” e “Alguma dúvida?” O professor deve também oportunizar espaço para o aluno realizar perguntas. É possível também utilizar-se de outros instrumentos avaliativos, dentro desta perspectiva, como: pequenos testes, dinâmica pedagógica etc. Dessa forma, a avaliação será uma ferramenta eficaz a serviço do ensino e da aprendizagem.
Concluindo, reconheço que este texto não esgota o questionamento da problemática avaliativa na EBD. Todavia, apresenta uma reflexão sobre o tema e aponta algumas alternativas para a realização do processo avaliativo.
Que tal começar na próxima aula?
Por Sulamita Macedo.
Pré-adolescentes – Currículo do Ano 2: Parábolas de Jesus
Lição 04: A História de um Semeador

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associada a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição 04. Vejam as sugestões abaixo:
- Falem que o tema da aula será o perdão, que será estudado através da parábola do Semeador.
- Agora, leiam o texto de Mateus 13. 3 a 8, para que os alunos conheçam esta parábola:
“E falou-lhe de muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que o semeador saiu a semear.
E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na;
E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda;
Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz.
E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na.
E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta”.
- Depois, trabalhem o conteúdo da parábola e sua aplicação pessoal.
- Em seguida, utilizem a dinâmica “Mais Doce que o Mel”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Mais Doce que o Mel
Objetivo: Refletir sobre qual o tipo de coração está sendo lançado o ensino da Palavra de Deus.
Material:
Desenho de um caminho com aves, pedras e figura de sol, espinhos, terra fértil e sementes.
Figuras das 4 situações apresentadas na parábola do Semeador.
01 figura de coração
01 sachê de mel ou bala de mel
Procedimento:
- Leiam a parábola do semeador – Mt 13. 3 a 8.
À medida que a leitura for efetuada, vocês apresentam figuras que dizem respeito as 4 situações da parábola.
Se preferir, vocês podem utilizar material, como: desenho de um caminho com aves, pedras e figura de sol, espinhos, terra fértil e sementes.
- Dividam a turma em 04 grupos e passem o material ou a figura referente a cada situação (uma para cada grupo).
- Orientem para que cada grupo reflita sobre a situação da parábola, associando-a ao ensino da Palavra de Deus nos dias atuais.
- Em seguida, os grupos devem apresentar o resultado de forma objetiva.
- Apresentem a figura do coração e falem: Que o nosso coração esteja com solo preparado e fértil para receber a semente que é a Palavra de Deus.
- Depois, leiam Sl 119.103: “Oh! Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais doces do que o mel à minha boca”.
- Para finalizar, entreguem para cada aluno 01 sachê de mel ou bala de mel.

Por Sulamita Macedo.
Adolescentes - Currículo do Ano 2: Minha Missão no Mundo
Lição 04: Vamos conversar sobre Missões

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associada a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
 6 – Agora, vocês iniciam o estudo do tema.
- Falem do tema da aula: Vamos Conversar sobre Missões?
- Iniciem o estudo da lição, lendo Mc 16.15: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura”.       
- Falem sobre o que é “missão” e que todos precisam se envolver com este trabalho.
- Em seguida, coloquem no quadro estas palavras:
Missão Urbana
Missão Nacional
Missão Transcultural.
Falem sobre elas, apresentando exemplos concretos da própria igreja que frequentam. Se possível, levam para a classe o coordenador de missões da igreja para que ele repasse informações sobre este departamento.                                 
- Trabalhem os demais pontos levantados na lição de forma participativa e objetiva.
- Para concluir aula, utilizem a dinâmica “Vestindo a Camisa”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Vestindo a Camisa
Objetivo: Refletir sobre o compromisso com a evangelização e missões.
Material: 01 folha de papel ofício para cada aluno.
Procedimento:
- Entreguem para cada aluno 01 folha de papel ofício.
- Solicitem aos alunos que façam um barco, utilizando a técnica da dobradura (aquela que fazíamos  costumeiramente quando criança, lembram?).
Aguardem que todos terminem e ajudem alguns que se esqueceram de como fazer.
- Falem: Quando aceitamos a Cristo, entramos no barco do Reino de Deus. Temos Jesus como nosso guia. Temos também a responsabilidade individual de transmitir os valores do Reino de Deus, através da propagação do evangelho.
- Falem: Fazer este trabalho de evangelização local, nacional ou transcultural, alguns aceitam ou rejeitam, ou perseguem, trazendo momentos de dificuldades, pensamos até que vamos naufragar, não alcançando o objetivo proposto. 
- À medida que vocês falarem nas dificuldades, vocês retiram a extremidade da direita e da esquerda do barco, rasgando as duas pontas. Depois, retirem também a extremidade da vela.
- Continuem, falando: Apesar das dificuldades, não naufragamos porque Cristo está conosco.
- Leiam Mt 8. 24 a 27.
  - Falem: Apesar das avarias do barco (apontem para as extremidades retiradas), Cristo é nosso socorro; estamos no barco, porque somos integrantes do Reino, decidimos “Vestir a Camisa” do Reino de Deus.
- Perguntem: O que significa “Vestir a Camisa”?
Certamente as respostas terão o seguinte teor: ter compromisso, apresentar dedicação, estar motivado.
- Agora, solicitem aos alunos que abram a dobradura do barco. O que eles verão? Uma camisa!
A folha deve ficar dobrada ao meio, não abrir a folha completamente!
- Falem: Quem entra no Reino, precisa “Vestir a Camisa”, isto significa está comprometido com a Palavra de Deus, com os valores do Reino e a propagação do evangelho.
- Perguntem: Estamos realmente vestindo a “Camisa do Reino”?
Ideia original de transformar a dobradura do barco em camisa: desconhecida.
Elaboração da dinâmica: Sulamita Macedo.
Juvenis - Currículo do Ano 2: Os Perigos do Relativismo Moral
Lição 04: Vamos Filosofar?

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, trabalhem a lição 04. Vejam as sugestões abaixo:
- Falem que na aula de hoje o tema será sobre doutrinas filosóficas contrárias a Palavra de Deus e refutá-las através do conhecimento bíblico.
- Reflitam sobre o que seja “filosofar” e o que a Bíblia fala sobre a sabedoria e o conhecimento.
- Depois,  utilizem a dinâmica “Verdadeiro ou Falso”.
 - Para trabalhar sobre o pensamento humanista, materialista e ateísta, escrevam estes nomes no quadro e perguntem sobre o que os alunos conhecem sobre estas doutrinas.
- Depois, acrescentem outras informações.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Verdadeiro ou Falso?
Objetivo: Diferenciar objeto falso do verdadeiro através de suas características.
Material:
01 um objeto falso e verdadeiro de CD ou DVD ou relógio ou bolsa ou celular ou roupa ou perfume, etc.
Procedimento:
- Escolham um dentre os objetos citados no material para fazer a demonstração, observando que do mesmo objeto deve haver um verdadeiro(original, legítimo) e outro falso(pirateado).
- Apresentem  para a classe e perguntem se já diferença entre os objetos. Pode haver respostas positivas e negativas, como também alguém pode levantar dúvidas sobre a veracidade dos objetos; aproveitem a oportunidade e questione o porquê das respostas.
Há também, outra possibilidade de utilização desses objetos:
Vocês podem fazer a propaganda dos objetos falsos e verdadeiros, sem identificá-los como tal, mas observem a reação da turma diante das características dos objetos.
- Em seguida, façam a pergunta:
O que é necessário para que conheçamos que um objeto é verdadeiro ou falso?
Os alunos deverão emitir suas opiniões.
- Para concluir, enfatizem que é necessário conhecer as características do objeto. Agora, introduzindo o tema da aula, enfatizem a importância de conhecer a Palavra de Deus para poder saber identificar os falsos ensinos.
- Leiam com os alunos: “Acautelai-vos dos falsos profetas, que vêm até vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons.”. Mateus 7. 15 a 17.
Autoria: Sulamita Macedo
Discipulado 1 – Novos Convertidos
Lição 04: Conhecendo a Igreja

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 –  Agora iniciem o estudo da lição. Vejam as sugestões abaixo:
- Falem do tema da aula: Conhecendo a Igreja.
- Coloquem no quadro ou cartolina uma figura de uma Igreja e perguntem:
O que significa a palavra Igreja?
Aguardem as respostas e depois acrescentem outras informações, apontando também os símbolos: corpo, templo, noiva, família (item I).
 - Para enfatizar a ideia de que nós formamos o corpo da Igreja, utilizem a dinâmica “O Boneco”.
- Perguntem: Para que serve a Igreja? Quais suas finalidades? Aguardem as respostas dos alunos e ampliem essas ideias conforme o item II.
Reforcem a importância do novo convertido está reunido numa igreja local, para receber o ensino da Palavra de Deus, fortalecer os relacionamentos e comunhão com o Senhor.
- Para trabalhar o tem III, indaguem se os alunos já haviam presenciado Batismo nas Águas e Santa Ceia, antes da conversão. Observem seus comentários, suas opiniões e informem que estes eventos são ordenanças dadas por Cristo e falem do significado de cada um.
- Para concluir a aula, leiam o texto “Sermão Silencioso”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: O Boneco
Objetivo: Refletir sobre o trabalho em equipe e a importância da unidade e comunhão no Corpo de Cristo.
Material:
Para o grupo 01: 01 folha de papel ofício e coleção de lápis colorido.
Para o grupo 02: 04 tesouras, 02 tubos de cola, 11 lápis coloridos e 11 folhas de papel ofício, estando escrito nelas as seguintes indicações para desenhar, conforme descrição abaixo:
Folha 01: Cabeça
Folha 02: Pescoço
Folha 03: Tronco (humano)
Folha 04: Braço direito
Folha 05: Braço esquerdo
Folha 06: Mão direita
Folha 07: Mão esquerda
Folha 08: Perna direita
Folha 09: Perna esquerda
Folha 10: Pé direito
Folha 11: Pé esquerdo
Procedimento:
1- Dividam a turma em dois grupos e forneçam as seguintes orientações:
Para o grupo 01:
- Desenhar um boneco, utilizando uma folha de papel ofício e uma coleção de lápis colorido, mas trabalhando em equipe. Para isso, esta atividade deverá ser executada sem que as pessoas do grupo 02 vejam o que está sendo desenvolvido.
 Para o grupo 02(com 11 pessoas):
- Cada componente desenhará uma parte do boneco, individualmente, sem que os colegas vejam, para isso é recomendado que os membros deste grupo estejam separados.
- Montar o boneco, recortando as partes desenhadas e colando-as.
2 – Peçam ao grupo 01 e 02 para apresentar os dois bonecos.
3 – Solicitem para que observem o resultado de cada grupo.
O grupo 01 tem um boneco com partes proporcionais e uniformes.  O grupo 02, embora apresentem um boneco com as características semelhantes ao boneco 01, tem um resultado disforme, desorganizado e desproporcional.
 Perguntem: Por que são diferentes?
O Grupo 01 tem um resultado melhor porque trabalharam em equipe, houve unidade para o desenvolvimento do trabalho.
O Grupo 02 tem um mau resultado porque não trabalharam com união, não trabalharam de forma coletiva.
Quais conclusões podemos extrair dessa dinâmica para nossa vida cristã? Falem da importância da unidade e a comunhão que deve haver no Corpo de Cristo.
4 – Para concluir, leiam: I co 12. 12 e 27; Sl 133.01; Fp 2. 1 a 5.

Texto de Reflexão: Sermão Silencioso
                Que importância tem a nossa comunhão com a Igreja local? Deixe-me responder a esta pergunta com uma história.
                Um pastor estava preocupado com a ausência de um homem que normalmente vinha aos cultos. Depois de algumas semanas, ele decidiu visitá-lo. Quando o pastor chegou à casa deste homem, ele o encontrou sozinho, sentado diante de uma lareira. O pastor puxou uma cadeira e se sentou ao lado do homem. Mas depois de sua saudação inicial, ele não disse mais nada.
                Os ficaram sentados em silêncio por alguns minutos, enquanto o pastor olhava para as chamas na lareira. Então pegou as pinças e tomou cuidadosamente uma brasa acesa das chamas e a colocou de lado. Sentou-se de volta na sua cadeira, ainda em silêncio. O seu anfitrião observou em reflexão silenciosa como a brasa começou a tremular e se pagou. Pouco depois, estava fria e sem vida.
                O pastor olhou no seu relógio e disse que tinha que ir embora, mas antes disso pegou a brasa fria e a colocou de volta no fogo. Imediatamente, ela começou a luzir novamente com a luz e o calor do carvão aceso ao seu redor.
                Quando o pastor se levantou para sair, o homem também se levantou e lhe deu um aperto de mão. Então, com um sorriso no seu rosto, ele disse: “Obrigado pelo sermão, pastor. Eu vejo o senhor na Igreja, no domingo”.
Autor: David Roper